Prevenção em Favor da Vida!!

Saúde Mental está relacionada à forma como uma pessoa reage às exigências da vida, equilibrando seus desejos, capacidades, ambições, ideias e emoções. Todos os dias, as pessoas vivenciam uma série de emoções como alegria, amor, satisfação, tristeza, raiva e frustração.

As pessoas saudáveis são capazes de enfrentar os desafios e as mudanças da vida cotidiana com equilíbrio e sabem procurar ajuda quando têm dificuldade. Em contrapartida existem também muitas pessoas que possuem dificuldade em lidar com a própria Saúde Mental por desconhecimento do assunto. Estas dificuldades são as responsáveis por desencadear o desequilíbrio emocional e consequentemente as doenças mentais, sendo importante a atenção à estas, pois, um dos desfechos mais graves é o suicídio.

Em 2020 iniciou-se um agravante para este tema, a Pandemia do COVID-19, caracterizada pelo estresse econômico, a incerteza sobre a própria subsistência, a solidão e a desconexão social, a dificuldade no tratamento da saúde mental devido à sobrecarga do sistema pelos pacientes da pandemia e o aumento na ansiedade.

Entretanto, deve-se lembrar que distanciamento físico não significa suspensão de contatos, e que a conexão social deve ser mantida através de vários meios tecnológicos. A situação não se refere apenas a solidão, mas, a incerteza que o momento atual transmite.

Neste sentido, recomenda-se o contato contínuo com pessoas que possam dar qualquer tipo de apoio, inclusive para abrir o coração e, às vezes, chorar. Fortalecer vínculos é extremamente saudável e, neste momento, utilizar novas formas de se relacionar é muito importante (vídeo, WhatsApp, telefone).

Como ajudar?

Falar e dar atenção a este tema não é simples. Mas, dar atenção as pessoas e ter empatia (se colocar no lugar do outro) é mais simples e extremamente possível. Assim, não ignore pedidos de ajuda, não critique e nem julgue.

Quando existe a possibilidade de suicídio, o indivíduo fornece alguns sinais de alerta, fique atento: oAparecimento ou agravamento de problemas de conduta ou de manifestações verbais durante pelo menos 2 semanas; oFalas suicidas, demonstração de falta de esperança, falta de autoestima e visão negativa do futuro; oExpressão de ideias ou intenções suicidas: “Vou desaparecer” ou “Eu queria poder dormir e nunca mais acordar”; oIsolamento: não atender telefone, interagir menos nas redes sociais e ficar em casa em isolamento em seu quarto; oOutros fatores: perda de emprego, conflitos familiares, agressões psicológicas e/ou físicas. o o

Para auxiliar uma pessoa sob risco de suicídio: 1.CONVERSE: encontre um momento apropriado e um lugar calmo. Ouça a pessoa com a mente aberta e sem julgamento; 2.ACOMPANHE: fique em contato para acompanhar como a pessoa está se sentindo e o que está fazendo; 3.BUSQUE AJUDA PROFISSIONAL: incentive a pessoa a procurar ajuda profissional e ofereça para acompanhá-la; 4.PROTEJA: se há perigo imediato não deixe o individuo sozinho e assegure-se de que a pessoa não tenha acesso a ferramentas para provocar a própria morte.

Pensamentos e sentimentos de querer acabar com a própria vida podem ser insuportáveis e pode ser muito difícil saber o que fazer e como superar esses sentimentos, mas existe ajuda disponível. É muito importante conversar com alguém de confiança, não hesitar em pedir ajuda e caso necessite de auxilio, entrar em contato com os serviços de suporte.

Supere todos os tabus e valorize a sua vida e de pessoas próximas. Falar sobre o assunto é vital: 9 em 10 casos de suicídio podem ser prevenidos. O apoio de pessoas próximas faz toda a diferença.

Conte sempre com um especialista! Peça auxílio!

Precisa de ajuda agora? Disque 188

Dia 10 de Setembro, data dedicada a Prevenção do Suicídio.